Perde-se o velho por não poder e o novo por não saber

Perde-se o velho por não poder e o novo por não saber.

Aqui se reflete sobre uma crua realidade: o velho sabe muito, porque a vida o ensinou, mas já não tem força para pôr em prática os seus conhecimentos. O novo está cheio de força, mas falta-lhe ainda o saber que só os anos lhe darão.